ALIMENTOS X ENXAQUECA

Enxaqueca - Ilustração Silvia Reali

APRENDA MAIS SOBRE A SÍNDROME QUE É ERRONEAMENTE CONFUNDIDA COM DOR DE CABEÇA.
Por Paulo Greca – www.paulogreca.com.br
Enxaqueca - Neurônios 1
Atire a primeira pedra quem nunca teve uma crise de dor de cabeça. Descrita na antiguidade por Hipócrates, pai da medicina e também em diversos papiros egípcios, essa velha conhecida que aparece sem avisar, é uma vilã que compromete a qualidade de vida de muitas pessoas.
Enxaqueca - Remédio 1
Por incrível que pareça, o problema da dor não está especificamente nela e sim, na maneira pela qual se lida com ela. Como solução, basta ir à farmácia mais próxima comprar um analgésico, certo? Errado!
Enxaqueca - Pizza 1
Após muito se debater a respeito, cientistas concluíram que, alguns fatores desencadeantes desse problema, está diretamente relacionado aos hábitos alimentares, tipos de comida e ao estilo de vida dos indivíduos, portanto, preste atenção e descubra algumas maneiras de driblar as crises, tanto ao adequar sua alimentação, como seu comportamento e rotina dia a dia.
Enxaqueca - Condimentados 1
A distância que existe entre o problema e a solução, está diretamente relacionada à dificuldade em se determinar qual a intensidade, frequência, causas e tipos da dor e, esses detalhes fazem uma enorme diferença entre o sofrer e o bem viver. Para começar a falar sobre esse assunto é importante saber que existem diversos tipos de dor de cabeça, também chamadas de cefaleias.
Enxaqueca - Bulldog
A Associação Médica de Neurologia já identificou e catalogou – pasmem! – mais de 160 tipos delas, porém uma das mais cruéis e complexas está associada a uma síndrome denominada enxaqueca ou migrânea, que acomete grande parte da população, especialmente as mulheres.
Enxaqueca - Chocolate 3
De acordo com o especialista em neurologia, Prof. Dr. Deusvenir de Souza Carvalho, a enxaqueca não é uma doença e sim, uma síndrome neurológica que por enquanto não tem cura. Ele explica que a dor é apenas um de seus componentes e devido à grande variedade de sintomas, muitas vezes o quadro clínico é confundido com outras patologias. É importante ressaltar a diferença entre doença e síndrome. Enquanto a doença é o conjunto de sinais e sintomas com causa definida, a síndrome é o conjunto de sinais e sintomas que se interligam e que tem causas diversas.
Enxaqueca - Ressonância 1
Para que o quadro clínico do paciente seja considerado como enxaqueca, as crises devem ter um conjunto de características já conhecidas e aceitas pelos especialistas. É sabido que na rotina da clínica médica, pessoas com manifestações da migrânea, geralmente apresentam resultado negativo para exames de laboratório, neurológicos e complementares, tais como raio-X, ressonância magnética ou eletroencefalograma. Apesar destes processos investigativos não identificarem a síndrome, servem para que se possa excluir prováveis causas das dores relacionadas a doenças, tais como a hipertensão arterial, sinusite, moléstias infecciosas, câncer, HIV, entre outras.
Enxaqueca - Ressonância 2
O diagnóstico de enxaqueca é feito principalmente com base no relato dos fatos ocorridos com cada paciente, sua frequência, intensidade, variações. A riqueza de detalhes das informações prestadas ao médico são o fator determinante no auxílio ao entendimento e tratamento correto do problema, conta o doutor. Ele diz que para o paciente ser diagnosticado como enxaquecoso, é preciso preencher alguns pré-requisitos, como ter sido acometido por três ou mais episódios de dor com duração entre 4 a 72 horas, do tipo unilateral, pulsátil e frequentemente acompanhada de náuseas, vômitos ou sensibilidade a estímulos ambientais, tais como foto-fono-olfo-cinetofobia, que é a sensibilidade ao conjunto luminosidade, barulhos, cheiros e movimentos. Além disso, a dor pode ser classificada como variável, indo do grau moderado ao intenso e se manifesta em qualquer região da cabeça.
Enxaqueca - Aura 2
No conceito atual, a chamada dor moderada, acaba sendo aquela que atrapalha rotina do indivíduo. Já a dor intensa, também chamada de incapacitante, é a que o impede de exercer atividades das mais simples. Alguns sintomas premonitórios da crise de enxaqueca podem aparecer algumas horas ou dias antes da cefaleia. Coisas como a falta de apetite, hiperatividade, depressão nervosa, irritabilidade, bocejos repetidos, dificuldade em falar, perda de memória, dores nas pernas, desejos por alimentos específicos e sonolência são sinais que acabam dando a dica para o paciente, que a dor está por vir. Obviamente, não é necessário haver todos esses sintomas para a pessoa ser diagnosticada com enxaqueca, porém alguns deles, tais como as náuseas, aversão à claridade e também ao barulho, são tão comuns que chegam a ser quase obrigatórios.
Enxaqueca - Aura 1
Muitos especialistas afirmam que a causa da enxaqueca é de natureza incerta, multifatorial e tem caráter hereditário bem definido, ou seja, pode ser transmitida dos pais para os filhos. Para piorar um pouquinho mais a situação, existem formas mais raras da síndrome, nas quais ocorre um fenômeno denominado aura da enxaqueca, descrita da seguinte maneira: “A aura tem duração variável de 20 minutos a 1 hora e é considerada a forma mais grave, sendo responsável por inúmeros acidentes com mortes, inclusive no transito. Ela se manifesta, sob a forma de alucinações visuais, visualização de figuras, pontos brilhantes, perda parcial da visão, formigamento, diminuição da sensibilidade de partes do corpo, fraqueza, zumbido, sudorese, calafrios, tontura rotatória, dificuldade de articulação de palavras e uma série de outras sensações extremamente desagradáveis”. Muitas vezes, ela aparece como uma forma premonitória da cefaléia, o que significa que a pessoa percebe que a dor está por vir devido aos sinais dados por seu corpo. Existem alguns casos raros do aparecimento da aura sem dor e, devido a isso, é muito importante ficar atento e para que o problema não seja confundido com alguma outra doença e tratado de maneira equivocada.
Enxaqueca - Chocolate 1
A boa notícia é que já é possível prevenir as crises por intermédio da identificação de alguns sinais chamados gatilhos da enxaqueca. Aquele chocolatinho inocente ou um perfume novo que você adorou podem dar início a todo um processo doloroso e por isso, é importante ficar atento para qualquer modificação em sua rotina.
Enxaqueca - Pefume 1
As vezes, as relações sexuais também são causadoras da crise e sabe-se hoje em dia, que aquela dor de cabeça que ouvimos falar desde os tempos da vovó não era apenas uma desculpa esfarrapada para evitar os maridos. Estabelecer quais são os fatores desencadeantes para as crises é fundamental para o tratamento do problema.
Enxaqueca - Queijo 1
Alimentos como chocolate, queijos fortes, embutidos, shoyu, assim como o consumo de bebidas alcoólicas, em conserva ou à base de cafeína, são conhecidos como gatilhos da enxaqueca. Nesse grupo, também se enquadram determinados aromas fortes, excesso – ou falta – de sono, alterações de frio e calor, rotina, tabagismo, além do estresse emocional.
Enxaqueca - Café 1
Isso não significa que eles desencadeiem as crises em todas as situações e possam ser aplicadas a todas as pessoas. Cada caso é único e cabe ao paciente conversar com seu médico e estar atento para identificar quais as características próprias de seus gatilhos, para assim, tentar evitá-los.
Enxaqueca - Cigarro 1
Cada ser humano capta e organiza as informações sensoriais de suas experiências de maneira única e também sofre de forma particular as alterações da distorção, omissão e generalização sensoriais. Em função disso, o tratamento deve ser planejado de maneira individual, focado na fase aguda (também chamada momento da crise), e este, deve ser acompanhado por repouso em um ambiente tranquilo, seguido de pensamentos agradáveis.
Enxaqueca - Frutas Cítricas 2
O terapêutica moderna é feita com a utilização de medicamentos de última geração, desenvolvidos com base na neuroquímica ligada à serotonina, um neurotransmissor que modula a sensação dolorosa. Paralelamente a um diagnóstico bem feito, o remédio correto utilizado na dose certa pode funcionar muito bem.
Enxaqueca - Pimenta 1
Um grave erro, é visto com frequência a cada dia. Muito comum é a busca de soluções por auto medicação, indicação de amigos, parentes e até mesmo do balconista da farmácia. Há relatos de que o médico (profissional mais indicado para tratar o caso), ocupa o 4º lugar na preferência de quem precisa de cuidados e normalmente, as pessoas só os procuram, depois de esgotadas todas as possibilidades no que se refere à solução de seus problemas.
Enxaqueca - Corantes 2
Há uma máxima que diz que a diferença entre o remédio e o veneno está na dose, por isso, é muito importante evitar a automedicação e procurar imediatamente ajuda profissional ao se ter qualquer alteração no estado de saúde.
Enxaqueca - Tempero 1
De acordo com o Dr. Deusvenir, estudos realizados nas duas últimas décadas, demonstram que o uso excessivo de medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios combinados ou não com corticóides, triptanos e toda uma gama de outros compostos que servem teoricamente para aliviar a dor, ao invés de beneficiarem o sofrimento, acabam por piorar a situação. Isso ocorre ao se desencadear um quadro chamado cefaleia rebote, que é a dor causada pelo excesso de medicamentos, somada à já existente dor enxaquecosa. Ou seja, ao invés do problema ser resolvido, ele aumenta.
Enxaqueca - Castanhas 1
A dermatologista, Dra. Andrea Godoy, informa que uma opção bem aceita para tentar amenizar as dores, é a aplicação de toxina botulínica, realizada a cada 4-6 meses em regiões da testa (frontal), têmporas (temporal), atrás da cabeça (occipital) e no pescoço (cervical). Ao que parece, em diversos casos, essa técnica se mostrou eficaz em diminuir a frequência e a intensidade das crises de enxaqueca. Esse tipo de tratamento está indicado a pacientes que apresentam casos mais resistentes aos tratamentos medicamentosos, que têm a chamada enxaqueca crônica, ou seja, com frequência acima de 15 dias de dor por mês.
Enxaqueca - Aromas 2
A médica explica que o mecanismo de ação da toxina botulínica na enxaqueca ainda não é totalmente claro para os estudiosos, porém, acredita-se que ela seja capaz de inibir a liberação dos neuropeptídios, que são substâncias que provocam a dilatação e inflamação dos vasos cerebrais. Dessa forma, uma das teorias mais aceitas é que ela previne o principal mecanismo da dor que ocorre durante as crises de enxaqueca. Outra explicação é o fato da toxina diminuir a força de contração da musculatura onde é aplicada, o que melhoraria o  quadro tensional e a circulação sanguínea no local.
Enxaqueca - Alcoólicos 1
E quando tudo parece estar perdido, surge uma luz no fim do túnel. Uma alternativa muito interessante, não medicamentosa e de resultados cientificamente comprovados no tratamento da enxaqueca, também pode ser realizada por intermédio de agulhas, de acordo com a milenar medicina chinesa: a acupuntura.
Acupuntura
O médico anestesista e especialista em acupuntura, Prof. Dr. Célio Latorraca, informa que uma das grandes vantagens em combinar a técnica das agulhas ao tratamento na fase aguda da enxaqueca, está em minimizar ou extinguir os danos causados tanto pela dor, como pelos sintomas que a acompanham. A consequência disso está associada à possibilidade na diminuição do volume da medicação dada ao paciente. Ele orienta: “mais importante que tratar o problema na fase aguda, é fazer a prevenção.
Enxaqueca - Ostras 1
É importante estar atento ao tipo de alimentação diária, assim como as múltiplas variáveis que possam vir desencadear a síndrome. Por mais corretos, ajustados e modernos que sejam os medicamentos utilizados, cada um deles possui efeitos indesejados (colaterais) e sua utilização contínua pode acarretar danos ao paciente, de acordo a sensibilidade e resistência individual. A má notícia para as mulheres é que devido ao ciclo menstrual e variações hormonais, a tendência feminina para crises de enxaqueca é até três vezes maior que nos homens, uma vez que a alternância dos diferentes tipos de hormônios podem influenciar bastante o comportamento feminino. De acordo com a fase do ciclo menstrual, ela pode estar muito mais sensível a uma série de fatores, inclusive com a sensibilidade para a dor muito mais acentuada.
Enxaqueca - Yin-Yang
Para cada tipo de dor existe uma terapêutica diferente e é importante identificarmos suas causas, pois muitas vezes o processo doloroso tem em sua origem, um fundo puramente emocional. A medicina oriental preconiza que os fluxos de energia conhecidos como Yin e Yang, sempre devam estar em perfeita harmonia e que muitas dores tem uma relação íntima com as emoções e o desequilíbrio energético. Sentimentos como raiva, fúria e angústia, afetam o funcionamento do fígado, vesícula biliar e estômago, promovem uma estagnação do processo digestivo, alteração do fluxo energético e desequilíbrio vital, esclarece o médico. Ele informa que as técnicas de acupuntura usadas no tratamento da enxaqueca são variadas. A tradicional é feita com agulhas postas em diversas partes do corpo.
Enxaqueca - Ventosaterapia
Muitos especialistas optam pela auriculoterapia, em que se colocam pequenas sementes ou micro agulhas em diversos pontos das orelhas.Muito famosa em outras partes do mundo e ainda pouco utilizada no Brasil, a Craniopuntura de Yamamoto é realizada com agulhas de cerca de 1 cm, em pontos variados da cabeça, com resultados extremamente satisfatórios. Ainda há o uso de ventosas, eletroestimulação, moxabustão, entre outras coisas. E para quem não é lá muito fã das agulhas, existe a opção do tratamento pela metodologia chamada do-in, semelhante à acupuntura, só que feita com utilização dos dedos em pontos pré-estabelecidos.
Enxaqueca - Alcoólicos 2
De acordo com o professor Latorraca, ter consciência de suas limitações, estar atento aos próprios gatilhos e levar uma vida saudável com alimentação e prática de esportes balanceadas, ainda é uma das melhores formas de tentar inibir o disparo da dor. Em suma, a prevenção ainda é o melhor remédio.
Cuide-se bem e viva feliz.

FIQUE POR DENTRO

GATILHOS DA ENXAQUECA
Enxaqueca - Tabela 1

TIPOS DE DOR
Enxaqueca - Tabela 2

AGRADECIMENTOS

Enxaqueca - Dr Celio Latorraca
Prof. Dr. Célio Latorraca – Acupunturista e Endocrinologista.
Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.
Membro da Sociedade Brasileira de Acupuntura.
Tel: (11) 5071-1275 – R. Veriano Pereira 63 – Conj. 92 – Saúde – SP/SP.
Email: celiolatorraca@yahoo.com.br

Enxaqeca - Dra Andrea Godoy
Dra. Andrea Godoy – Dermatologista.
Membro efetivo da SBD – CRM 97673
Tel: (11) 2501-7999 – R. Dr. Alceu de Campos Rodrigues 46 – Cj 82 – Itaim Bibi – SP/SP – www.adclinica.com.br

Enxaqueca - Dr Deusvenir de Souza Carvalho 1
Prof. Dr. Deusvenir de Souza Carvalho – Neurologista – Ex-Chefe do Setor de Investigação e Tratamento das Cefaleias da Disciplina de Neurologia – Departamento de Neurologia e Neurocirurgia, UNIFESP.
Tel: (11) 5574-6843 – R. Pedro de Toledo 980 – Cj 33 – V. Clementino.
Email: deusveni@gmail.com

Enxaqueca - Silvia Reali Servadei - Foto © Heitor Reali
Silvia Reali Servadei – Jornalista / Ilustradora – Tel: (11) 99753-5458 –  www.realiservadei.com.br

ENXAQUECA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Greca

Jornalista especializado em gastronomia e turismo - MTB 42.344/SP - Colunista do Portal R7 - REDE RECORD e das revistas DROPSMAG - COOL MAGAZINE - BRASIL TRAVEL NEWS - TEL: +55 (11) 3042-7333 - MAIL: jornalismo@paulogreca.com.br - INSTAGRAM: @paulogreca

Você pode gostar...