DILMÊS – CELSO ARNALDO ARAUJO

Celso Arnaldo Araujo

DILMÊS – O IDIOMA DA MULHER SAPIENS

Dilmês

Dilmês

O DRAMÁTICO E HILARIANTE DOCUMENTO DE UMA ERA SEM PALAVRAS
Entre os múltiplos problemas enfrentados pelo governo Dilma, em seu segundo mandato, um dos mais graves – embora não devidamente valorizado – é a quase agônica dificuldade da presidente em articular os pensamentos. Essa desarticulação se dá em tal nível que ultrapassa, em muito, o campo da oratória – para adentrar o terreno muito mais complexo do raciocínio. É com esse aparato lingüístico rudimentar, quase primitivo, que Dilma Rousseff pensa e dirige o país.
Essa deficiência – inédita em dirigentes do último século de nossa República – agora parece tão evidente que grupos de “dilmólogos” proliferam nas redes sociais fazendo memes com gafes e bobagens de Dilma – como a recente “mosquita” da zika. Mas, durante praticamente todo o primeiro mandato de Dilma Rousseff, o “dilmês”, o estranho idioma falado pela presidente, teve um estudioso solitário: o jornalista Celso Arnaldo Araujo.
Impressionado com a extrema pobreza da fala da pré-candidata, ele começou a publicar resenhas sobre discursos e entrevistas de Dilma na coluna de Augusto Nunes na Veja. Em quatro anos, Celso Arnaldo reuniu o que ele chama de “maior dilmoteca do mundo” – com os grandes momentos, no papel e em vídeo, do idioma quase absurdo com que Dilma explica seu país.
“Dilmês – o idioma da mulher sapiens” é o retrato literal de uma época da história em que a presidente da República é incapaz de explicar a alunos do curso fundamental de uma escola em Juazeiro, na Bahia, noções rudimentares sobre o mosquito – ou a mosquita – da zika, como ocorreu semana passada.
Dessa viagem ao deserto cerebral de Dilma Rousseff resultou um livro que documenta e destrincha, com rara combinação entre rigor e humor, a improvável ocorrência de uma presidente da República cuja incapacidade absoluta de se expressar por muito tempo protegeu um também sem precedentes vazio de ideias.
O dilmês não escolhe assunto: faz das suas na política, nos esportes, nas artes, na literatura e até na entrega da casa própria, como mostra o livro – a esta altura já um documento histórico.

* Celso Arnaldo Araujo é jornalista, ganhador de dois prêmios ESSO de jornalismo e um estudioso da linguagem humana.

Paulo Greca

Jornalista especializado em gastronomia e turismo - MTB 42.344/SP - Colunista do Portal R7 - REDE RECORD e das revistas DROPSMAG - COOL MAGAZINE - BRASIL TRAVEL NEWS - TEL: +55 (11) 3042-7333 - MAIL: jornalismo@paulogreca.com.br - INSTAGRAM: @paulogreca

Você pode gostar...