VOO A VELA

Planador Puchacz SZD 50-3

Texto e fotos por Paulo Greca
O PRAZER DE VOAR SILENCIOSAMENTE EM MEIO ÀS NUVENS É PERFEITAMENTE POSSÍVEL PARA QUALQUER UM. EMBARQUE COMIGO NUMA AERONAVE SEM MOTOR E DESFRUTE DO SABOR DA LIBERDADE SEM LIMITES

Espetáculo único: reboque ao por do sol

Espetáculo único: reboque ao por do sol

UM POUCO DE HISTÓRIA
O desejo do homem de voar como um pássaro sempre foi um sonho distante, porém para alguns, essa vontade sempre esteve tão presente que não se mediu esforços para realizá-la. O pioneiro na história do voo planado foi Karl Wilhelm Otto Lilienthal (nascido em 23/05/1848, em Anklam, Pomerânia e falecido em 10/08/1896 em Berlim), conhecido como o primeiro homem a manejar por repetidas vezes na atmosfera, um aparelho mais pesado que o ar, logo batizado como planador – ou glider.

Karl Wilhelm Otto Lilienthal: o pai do voo planado

Karl Wilhelm Otto Lilienthal: o pai do voo planado

Voo a Vela - Otto Lilienthal 2
Com o passar do tempo, o aperfeiçoamento das invenções e o avanço da tecnologia, o que parecia impossível se tornou realidade. O voo regular de planador em larga escala teve início na Alemanha após sua derrota na Primeira Guerra Mundial, quando o país impossibilitado de treinar seus pilotos em aviões motorizados teve de concentrar seus esforços no desenvolvimento de aeronaves sem motor e num amplo estudo de condições atmosféricas.

Grid de largada em campeonato

Grid de largada em campeonato

Graças a isso, atualmente a Alemanha concentra alguns dos melhores fabricantes do mundo e possui uma frota superior a 10 mil aeronaves. Os gliders são usados em diversos tipos de atividades desportivas e reúnem ao redor do planeta, mais de 100 mil pilotos, numa modalidade conhecida como Voo a Vela.

Voo de alta performance "na faca" (de lado a 90º do solo)

Voo de alta performance “na faca” (de lado a 90º do solo)

CLASSIFICAÇÃO DOS PLANADORES
Com a massificação do esporte ao redor do mundo, inúmeros modelos foram desenvolvidos em materiais de diferentes tipos e muitos deles, podem alcançar velocidades superiores aos 300 km/h.

O checador José Carlos Petean avalia a performance de piloto no biplace acrobático ASK-21, no Aeroclube de Ipuã (SP)

O checador José Carlos Petean avalia a performance de piloto no biplace acrobático ASK-21, no Aeroclube de Ipuã (SP)

As variações vão da madeira, tela, alumínio, fibra de vidro, até compostos altamente tecnológicos, como fibra de carbono. Os modelos para duas pessoas – usados para instrução e voos panorâmicos – são chamados de biplaces.

Planador monoplace "Quero Quero": para aperfeiçoamento de alunos recém solo

Planador monoplace “Quero Quero”: para aperfeiçoamento de alunos recém solo

Os monoplaces são feitos para voo com uma pessoa e usados regularmente em competições ou para treinamento de alunos recém formados. Vale lembrar que para pilotar esse tipo de planador, é necessário um mínimo de experiência por parte do piloto, já que não há instrutor a bordo para corrigir eventuais erros.

Imensidão azul

Imensidão azul

SUBIDA AO AZUL INFINITO
Independente da decolagem ser realizada em pista de asfalto, terra ou grama, existem várias maneiras de se colocar um planador em voo, dentre as quais, reboque por avião, lançamento com guincho, entre outras. Também existem planadores com um pequeno motor elétrico acoplado e decolam de forma independente.

Reboque em pista de grama

Reboque em pista de grama

A decolagem mais comum usada no Brasil é feita por reboque, no qual o planador é puxado por um avião até a altura de 600 metros e a partir daí,  desconecta-se para realizar o voo planado e tentar ganhar altura com a ajuda das “térmicas” – correntes de ar quente – que se desprendem do solo.

Voo em montanhas com aproveitamento das correntes orográficas

Voo em montanhas com aproveitamento das correntes orográficas

Uma outra variante de ganho de altura é feita próximo às encostas de morros, nos “voos de colina”, com aproveitamento de correntes orográficas: um tipo de spray formado pelo vento que bate na base das montanhas e sobe ao topo das mesmas. De ambas as formas, o planador – que tem uma enorme extensão de asas – é levado para cima, para então ganhar altura e tentar permanecer o máximo de tempo possível no ar, navegando muitas vezes por distâncias inacreditáveis.

Reta final de pouso em pista de asfalto

Reta final de pouso em pista de asfalto

ALGUNS RECORDES DE VOO SEM MOTOR
O recorde brasileiro está acima dos 1.000 km de distância e foi conquistado pelo piloto Thomas Milko, no ano de 2002. A maior marca mundial é de 3.009 km de distância, em voo realizado no ano de 2003 na Cordilheira dos Andes pelo piloto alemão Klaus Ohlmann, com mais de 15 horas de permanência no ar.

O recordista brasileiro Thomas Milko

O recordista brasileiro Thomas Milko

Já quando o assunto é altura, o topo do voo sem motor foi de 50.720 pés (quase 17.000 m), estabelecido por Steve Fossett em 2006. Na tentativa de superar seu próprio feito, Steve sumiu misteriosamente num voo sobre Serra Nevada e seu corpo só foi encontrado casualmente por um alpinista, um ano após o desaparecimento.

Uso do equipamento de oxigênio, pelo recordista mundial Klaus Ohlmann

Uso do equipamento de oxigênio, pelo recordista mundial Klaus Ohlmann

Para voos em grandes altitudes, é imprescindível o uso de roupas especiais com calefação e máscara de oxigênio, uma vez que o ar é extremamente rarefeito e a temperatura pode tranquilamente chegar abaixo dos -50ºC. Há quem afirme que no caso de haver uma falha na vedação do equipamento ou no fornecimento de ar, o tempo de reação do piloto para tentar resolver a situação, fica abaixo dos três minutos, o que provavelmente significa sua morte.

Voo sobre vulcão

Voo sobre vulcão

O RECORDE MUNDIAL DE REBOQUES É BRASILEIRO
Ao longo de seus 80 anos de idade – dos quais mais de 40 puxando planadores com seu avião – José Orlando de Castro Parente é de longe, o piloto rebocador mais experiente do mundo, com a maior quantidade de lançamentos de planador já efetuados no planeta, num assombroso número que ultrapassa 32.000 reboques realizados.

Parentão: recordista mundial em reboques de planadores

Parentão: recordista mundial em reboques de planadores

Uma explicação para este feito, é que a maioria dos pilotos rebocadores exercem essa função por um tempo limitado para acumular horas de voo e posteriormente seguem carreira na aviação comercial ou executiva, porém, esse veterano permaneceu rebocando e não migrou para outro setor aéreo.

O mestre em ação

O mestre em ação

“Parentão” como é carinhosamente chamado pelos amigos, conta que isso foi devido a suas três paixões: o amor pelo esporte, sua esposa Eva e seus filhos. “Gosto e acho muito importante estar sempre perto da família”, afirma ele.

Reboque em pista de asfalto

Reboque em pista de asfalto

CAMPEONATOS, PROVAS E TREINAMENTOS
Aeronaves de alta performance são dotadas de equipamentos como GPS, computadores de voo, rastreadores por satélites e várias outras ferramentas usadas pelos competidores para superar cada vez mais seus limites.

Cockpit de planador de alta performance

Cockpit de planador de alta performance

Vale dizer que o esporte não se limita ao público masculino, já que inúmeras mulheres disputam um lugar no pódio de igual para igual e dão muito trabalho aos marmanjos do ar.

Aluna em instrução no ASK-21

Aluna em instrução no ASK-21

MANOBRAS ACROBÁTICAS
Uma outra possibilidade no voo sem motor é a realização de acrobacia de alto nível, como tuneaus, loopings, hammerheads, voo no dorso, parafusos, entre outras.

Os pilotos Paulo Greca e Antoniebi Torres executam um looping com o Puchacz SZD 50-3

Os pilotos Paulo Greca e Antoniebi Torres executam um looping com o Puchacz SZD 50-3

A performance dos pilotos de planadores acrobáticos profissionais é equivalente à de pilotos de aviação de caça. Para a realização desse tipo de atividade, tanto a aeronave deve ser homologada para a prática, quanto o piloto deve ser qualificado e treinado para exercer tais manobras.

Demonstração de saída de um parafuso à aluna

Demonstração de saída de um parafuso à aluna

Por questões de segurança, o procedimento no voo acrobático em planador, sempre deve ser realizado com altura suficiente para que não se ponha em risco quaisquer dos participantes ou quem está no solo.

Fim de voo e a satisfação dos pilotos Paulo Greca e Antoniebi Torres

Fim de voo e a satisfação dos pilotos Paulo Greca e Antoniebi Torres

Em tempo: os entusiastas do voo acrobático e pilotos em geral,  já podem – e devem – se atualizar no que se refere às normas de segurança, técnicas, alegrias e adversidades que esse tipo de atividade proporciona. Um manual técnico – muito bem escrito – com riqueza de detalhes e relatos pessoais, foi lançado pelo piloto e instrutor tetra campeão de voo a vela, Henrique Navarro.

Rodas Pra Cima - Henrique Navarro

Rodas Pra Cima – Henrique Navarro

O livro “RODAS PRA CIMA” relata suas experiências pessoais ao longo de mais de 4.000 horas de voo em planadores e 500 horas em aviões. Para fazer o download gratuito, clique em: http://www.paulogreca.com.br/downloads/navarromanualacrobatico.zip

O campeão e sua filha Alice no grid de largada

O campeão e sua filha Alice no grid de largada

O livro é de fácil entendimento, escrito de forma leve e bem humorada, com algumas ilustrações detalhadas do início, meio e fim, de diversas atuações aéreas realizadas pelo autor.

Decolagem imediata

Decolagem imediata

TRABALHO EM EQUIPE E AUMENTO DA PERFORMANCE
Uma das coisas mais fascinantes do voo a vela além da sensação de liberdade plena, é o desenvolvimento do senso de companheirismo, amizade e responsabilidade com os colegas, já que, com exceção do piloto rebocador, todos os participantes da operação, desde instrutores, alunos e equipe em solo, são voluntários e praticam a atividade pelo puro prazer de voar. Um trabalho no qual todos são corresponsáveis pela segurança do grupo e de quem está no ar.

Trabalho em equipe

Trabalho em equipe

Além disso, o voo de planador auxilia no aumento da capacidade de concentração, atenção, senso de orientação, julgamento, tomada de decisões rápidas e certeiras para seus praticantes, já que a ausência de motor faz com que a precisão seja um fator determinante desde o momento da decolagem, navegação e pouso. Isso pode ser facilmente comprovado, uma vez que pilotos da força aérea de vários países têm como atividade curricular obrigatória, treinamento em aeroplanos para aprimoramento.

Marine checa seu planador

Marine checa seu planador

Por incrível que pareça, é unânime entre os pilotos a afirmação de que ter instrução para voar de planador é igual a tentar a andar de bicicleta. Eles explicam que quem não aprendeu em algum momento da vida, nunca conseguirá sozinho e, por outro lado, quem aprende jamais esquece.

Satisfação ao por do sol, no último voo do dia

Satisfação ao por do sol, no último voo do dia

COMO APRENDER A VOAR
Obviamente para a maioria dos leigos no assunto, a ideia de voar numa aeronave sem motor inicialmente parece absurda, porém logo se transforma em uma experiência extremamente prazerosa. A emoção de sentar no cockpit como um simples passageiro para então navegar e flutuar em meio às nuvens e ao som do vento, normalmente se transforma em vontade de assumir o comando de toda aquela situação e isso, muitas vezes é o que motiva a pessoa a iniciar uma jornada para se tornar um piloto esportivo.

Duas gerações de planadores: NEIVA B MONITOR, da década de 50 e o PUCHACZ SZD 50-30, produzido nos anos 2000

Duas gerações de planadores: NEIVA B MONITOR, da década de 50 e o PUCHACZ SZD 50-30, produzido nos anos 2000

O caminho para se obter a licença de voo não é fácil, porém não tão árduo. É necessário preencher várias exigências da Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC, entre as quais, realização de minuciosos exames de saúde e psicotécnicos, aprovação em testes sobre regulamentos, tráfego aéreo, conhecimentos técnicos, navegação, meteorologia, aerodinâmica e teoria do voo.

Preparo para decolagem imediata

Preparo para decolagem imediata

Fora isso, treinamento prático com instrutor até adquirir experiência e voar solo (sozinho), para futuramente fazer a avaliação final – chamada check – na qual todas as habilidades são postas a prova, inclusive, situações simuladas de emergência.

Checadores credenciados pela ANAC: José Carlos Petean e Alvaro Follador

Checadores credenciados pela ANAC: José Carlos Petean e Alvaro Follador

O período de treinamento em média para que um novato comece a pilotar sozinho é algo em torno de 30 a 40 voos de instrução, com aulas práticas e teóricas, em que são ensinadas diversas técnicas de pilotagem, para que o mesmo então voe sozinho por algum tempo e se forme piloto após 50 a 60 voos em média.

Asas super dimensionadas

Asas super dimensionadas

QUANDO COMEÇAR A VOAR
A idade mínima exigida para iniciar o curso de piloto é de 16 anos, podendo o aluno voar sozinho à partir dos 18 anos. A partir daí, os novos volovelistas (assim são chamados) seguem sua trajetória no esporte sem data limite para parar de voar, como é o caso dos pilotos veteranos Udo Har Ben e Antal Almásy, ambos com idade superior a 85 anos.

Os veteranos Udo Har Ben e Antal Almásy: pilotos com mais de 85 anos

Os veteranos Udo Har Ben e Antal Almásy: pilotos com mais de 85 anos

Para que os novos pilotos se recordem da primeira vez que voaram sem a companhia do instrutor, uma prática utilizada é o tradicional banho de lama dado logo após o pouso do primeiro voo solo, num ritual divertido no qual os veteranos despejam uma mistura de água e terra na cabeça e corpo do novo membro do grupo, sendo o evento finalizado em uma grande festa com churrascada ao final do dia.

A inesquecível foto de 18/05/1977. Batismo após meu 1º voo solo, com direito a banho de lama

A inesquecível foto de 18/05/1977. Batismo após meu 1º voo solo, com direito a banho de lama

ACESSÍVEL PARA (QUASE) TODOS
Qualquer pessoa com menos de 100 Kg pode voar de planador. Crianças, idosos e até mesmo portadores de necessidades especiais podem desfrutar desta experiência, como foi o caso do ex-presidente da Azul Linhas Aéreas, Pedro Janot, hoje, membro do conselho da mesma empresa e autor do livro Maestro de Voo.

Pedro Janot, presidente, membro do conselho da Azul Linhas Aéreas e autor do livro MAESTRO DE VOO, experimentou o volovelismo

Pedro Janot, presidente, membro do conselho da Azul Linhas Aéreas e autor do livro MAESTRO DE VOO, experimentou o volovelismo

A quase centenária senhora, Clara Greca, de 95 anos, também se aventura em voos de finais de semana a bordo de um planador, sempre pilotado por seu neto.

Dona Clara curte a vida aos 94 anos, em voos de planador com seu neto

Dona Clara curte a vida aos 95 anos, em voos de planador com seu neto

Sendo assim, é correto afirmar que qualquer pessoa em bom estado de saúde pode a qualquer tempo, ingressar como passageiro em um voo de demonstração, porém, uma coisa é certa: ao conhecer um aeroclube de voo a vela e entrar num planador, você corre um sério risco de não querer mais sair de lá.

A vovó radical se diverte nas nuvens

A vovó radical se diverte nas nuvens

A velhinha também curte manobras radicais

A velhinha também curte manobras radicais

EXCELENTES LOCAIS PARA VOAR DE PLANADOR EM SÃO PAULO

AEROCLUBE DE VOO A VELA CTA – ASSOCIAÇÃO RECREATIVA CENTRO DE VOO A VELA IPUÃ
Estrada de Camanducaia nº 6999 – Caçapava – Tel: +55 (12) 3653-7190 – www.vooavelacta.com.br
AEROCLUBE POLITÉCNICO DE PLANADORES
Rodovia SP-304 Km 196, s/n – Aeroporto – São Pedro – Tel: +55 11 4815.5840 – www.politecnico.org.br
AEROCLUBE DE RIO CLARO
Av. Presidente Kennedy 601 – Tel: +55 (19) 3524-2646 – www.aeroclubederioclaro.com.br
AEROCLUBE DE BEBEDOURO
Rodovia Brigadeiro Faria Lima – km 384 – Aeroporto Comandante Luis Martins de Araujo – Tel: +55 (17) 3044-3038 – www.aeroclubebebedouro.com.br
AEROCLUBE DE BAURÚ
Al. Dr. Octavio Pinheiro Brisolla, 19-100 – Tel: +55 (14) 3234.7900 – www.aeroclubebauru.com.br
IMPORTANTE
O custo do esporte varia de acordo com as tabelas de cada aeroclube, assim como o tempo de voo, que pode oscilar, em função de condições favoráveis para que o planador consiga ganhar altura e desta maneira, promover voos mais demorados.

Decolagem ao Por do Sol

Decolagem ao Por do Sol

FIQUE POR DENTRO
FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOO A VELA – FBVV – Presidente – Celso Vilarinho.
Promove o Campeonato Brasileiro de Planadores e provas menores. Capta patrocínio e com a Lei do Esporte, desenvolve os seguintes projetos de formação de novos pilotos competidores:
Novo Santos Dumont – Bolsas a residentes próximo aos aeroclubes.
Voa São Paulo II – Oferece bolsas a novos pilotos dentro do estado.
FBVV/SP – Tel. (11) 4112-0190 – www.planadores.org.br

VEJA O VÍDEO DE ACROBACIA EM PLANADOR


VOO A VELA NO INTERIOR DE SÃO PAULO

 

 

Paulo Greca

Jornalista especializado em gastronomia e turismo - MTB 42.344/SP - Colunista do Portal R7 - REDE RECORD e das revistas DROPSMAG - COOL MAGAZINE - BRASIL TRAVEL NEWS - TEL: +55 (11) 3042-7333 - MAIL: jornalismo@paulogreca.com.br - INSTAGRAM: @paulogreca

Você pode gostar...